Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação.

1

Quais os perigos a Radiação Ionizante pode oferecer ?

Quais os perigos a Radiação Ionizante pode oferecer ?


Indústrias e empresas de todos os setores trabalham com instrumentos, máquinas e processos que contém algum nível de Radiação Ionizante em seu processo e desenvolvimento.
Mas você sabe quais são os perigos que esse tipo de radiação pode oferecer ao corpo humano?

Radiação Ionizante
A Radiação Ionizante é uma forma de radiação que carrega energia suficiente para remover elétrons que estão ligados a átomos e moléculas. Ela se divide em: natureza corpuscular (radiações alfa e beta) e natureza eletromagnética (raios gama, x e algumas frequências de ultravioleta).

Primeiro, é preciso entender que as radiações nucleares são o resultado das transformações do núcleo instável de um átomo na busca de estados de maior estabilidade. Ou seja, nada mais é do que o produto otimizando sua estrutura e dinâmica. Diante da intensidade das forças atuantes dentro do seu núcleo atômico, as radiações nucleares são altamente energéticas.
Os perigos da Radiação Ionizante
Desde o surgimento e reconhecimento da radiação, a ciência vem fornecendo grandes estudos acerca dos mecanismos biológicos que podem afetar a saúde humana, favorecendo inclusive, o avanço tecnológico das formas de Radioproteção.
Em nível celular, a Radiação Ionizante causa danos às células de forma direta ou indireta. De forma direta, ela quebra as ligações químicas presentes nas fitas de DNA (ácido desoxirribonucleico) em apenas um cromossomo. Já na forma indireta, ela cria radicais livres nas moléculas de H2O, que são as mais atingidas pela radiação.
Vamos explicar de uma forma química:
As partículas radioativas têm alta energia cinética, ou seja, se movimentam rapidamente. Quando tais partículas atingem as células dentro do corpo, elas provocam a ionização celular. Células transformadas em íons podem remover elétrons, portanto, a ionização enfraquece as ligações. E o resultado? Células modificadas e, consequentemente, mutações genéticas.
Quando o número de células afetadas ou até mesmo mortas for grande o suficiente, a radiação poderá resultar na disfunção e morte do órgão. Por sua vez, os danos que não causam a morte celular, podem ser normalmente reparados por inteiro, mas em alguns casos, a modificação resultante – conhecida como mutação celular – pode causar reflexo nas divisões celulares subsequentes, resultando em câncer.
Portanto, se as células modificadas forem aquelas que transmitem a informação hereditária aos descendentes, desordens genéticas podem surgir.